FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES EM

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ACESSÍVEIS
APRESENTAÇÃO
A inclusão, como fenômeno social, tem suas raízes na cultura, extrapolando em muito, os aspectos meramente escolares. A presença da heterogeneidade nos diferentes espaços socioculturais tem, numa relação de imanência, projetado políticas públicas de atenção à diversidade humana sob o tripé educação, saúde e assistência social. A partir dessa perspectiva, uma forma muito particularizada de abordar a deficiência orgânica ou a fragilidade psicológica foi instituída – o aluno especial para a educação especial, o paciente para a saúde, o beneficiário para a assistência social – produzindo ações isoladas e projetos desarticulados que dificultaram o reconhecimento das múltiplas dimensões da vida humana.
Hoje, a visão de necessidades especiais engloba um conjunto de aspectos que ultrapassam em muito o antigo conceito de deficiente. Essa mudança da deficiência para a necessidade especial, leva consigo a concepção da variabilidade humana e forja importantes deslocamentos. Do caráter permanente para transitório, da visão de adaptar a pessoa deficiente para viver na sociedade para a inclusão, por meio da adaptação da sociedade, pela superação das barreiras que impõe desvantagens na efetiva participação de sujeitos com necessidades especiais nos diferentes contextos socioculturais.
O respeito e a valorização da diversidade humana efetiva-se por meio do deslocamento do verbo integrar, a simples união de diferentes grupos, sem um projeto que institua um nova percepção para a diferença, para o verbo incluir, um movimento que efetiva-se por meio de políticas públicas que projetam e constroem a ação para o pertencer. Para que a integração se configure em uma prática de inclusão, é preciso que bases teóricas de respeito à heterogeneidade, é necessário que suportes técnico-metodológicos para a mediação com a diferença sejam discutidos e apropriados pela sociedade em sua totalidade e, em especial, por educadores e gestores de sistemas escolares contemporâneos.
Embora, nos últimos anos, o crescimento na área na inclusão sociodigital e escolar sejam inegáveis, ainda vivencia-se uma realidade brasileira desfavorável para sujeitos com necessidades especiais, fato comprovado pela grande maioria dos sujeitos colocados na exterioridade de processos educativos na rede escolar, por fragilidade na área sensorial ou cognitiva. Soma-se a esse fato, a dura realidade das condições de trabalho docente e a frágil formação dos professores, aspectos que têm impulsionado posições reducionistas centradas nas limitações e nas dificuldades do sistema de ensino regular em atender a diferença e a deficiência. Frente a isso, uma mudança valorativa e atitudinal por parte de órgãos governamentais, educadores, pesquisadores, e agentes sociais, levaram a conquista de um espaço para a construção de respostas ao desafio de garantir o direito de todas as crianças com necessidades especiais a inclusão no ensino regular.
É reconhecido que o processo de inclusão provoca mudanças na perspectiva sócio-educacional, não somente para sujeitos com necessidades educativas especiais mas, também, para todos os participantes do contexto sócio-educativo ao propiciar a participação da diversidade humana no tempo e no espaço do sistema escolar regular. A educação inclusiva traz benefícios para a sociedade e para todos os envolvidos no processo educativo - pais, alunos, professores -, pois, propicia a criação de uma sala de aula e de uma escola na qual indivíduos aprendem a respeitar, a compreender e a admirar as qualidades de todas as pessoas, independentes de suas diferenças físicas e cognitivas, aspectos que possibilitam que a sociedade com justiça e equidade social se efetive.
O Brasil vem desenvolvendo um processo de inclusão desde 1992, quando uma nova política de fortalecimento da Educação Especial foi estabelecida por meio da recriação da Secretaria de Educação Especial (SEESP), na estrutura do MEC (Ministério da Educação) - Lei 8.490/92. A garantia da educabilidade para todos passou a exigir dos professores do ensino regular conhecimentos específicos sobre os alunos com necessidades educacionais especiais, não mais sob a luz do seu possível déficit, mas, fundamentalmente, na valorização de suas potencialidades e possibilidades. Por meio das Políticas Públicas em apoio à Educação Inclusiva e dos projetos de Formação Continuada de Professores, o MEC assumiu como premissa a indissociabilidade da teoria-prática e a concepção de um processo educativo que necessita ser transformado e reinventado.
Das inúmeras possibilidades de recursos e de formas de apoio que se apresentam no cenário educativo contemporâneo, as tecnologias digitais têm revelado, em âmbito nacional e internacional, o grande potencial do campo de saber da Informática na Educação Especial na concretização de planos de ação para o Atendimento Educacional Especializado – AEE. Entrelaçando tecnologias digitais de informação e comunicação com um qualificado plano de atendimento especializado, um ajuste às especificidades e à variedade de histórias de vida de sujeitos em processo educativo tem sido desencadeado, permitindo que heterogeneidade e a diferença seja lida com vantagem e não como prejuízo.
O saber e a materialidade das tecnologias digitais de informação e comunicação têm possibilitado a construção de interfaces para promover e impulsionar o desenvolvimento sociocognitivo desses sujeitos. No entanto, recursos computacionais, por si só, não desempenham as funções esperadas se não forem mediadas por professores capacitados.
O curso de Formação de Professores em Tecnologias de Informação e Comunicação Acessíveis terá a duração de 180 horas, estruturado em seis módulos.
OBJETIVOS DO CURSO
  • Aperfeiçoar e formar em serviço, na modalidade a distância, via Internet, professores de escolas públicas inclusivas, com efetiva docência na Educação Básica, na apropriação e aplicação pedagógica das Tecnologias da Informação e da Comunicação no âmbito da Educação Especial;
  • Desenvolver competências para orientar, produzir, apoiar a utilização dos recursos tecnológicos na construção ações pedagógicas em sintonia com a equipe de Atendimento Educacional Especializado (AEE), nas unidades educativas e nos municípios participantes;
  • Utilizar, no contexto educativo, tecnologias de informação, recursos (hardware e software) de acessibilidade e objetos de aprendizagem, com criticidade e autonomia, para projetar a escola como tempo-espaço integrador de instrumentos de inserção sociodigital;
  • Experienciar, projetar e desenvolver ações pedagógicas significativas mediadas pelas tecnologias digitais de informação e de comunicação e de recursos (hardware e software) de acessibilidade alicerçadas na premissa da inclusão social e digital de sujeitos com necessidades educativas especiais no cenário sócio-cultural contemporâneo;
  • Forjar uma ação integrada - docente e equipe de Atendimento Educacional Especializado (AEE) - visando a construção de estratégias educativas para responder as diferentes demandas geradas pela inserção da diferença nas instituições educativas que compõem o Ensino Regular.
external image disciplinas_092.jpg


Organograma da Estrutura Curricular – Curso de Formação em Tecnologias de Informação e de Comunicação Acessíveis





|| Módulo I – Tecnologias de Informação e Comunicação Acessíveis e Política Nacional de Educação Especial - 10h
||
Súmula do Módulo: Contextualização das Tecnologias de Informação e de Comunicação (TICs) na perspectiva da Educação Inclusiva. Explorar ambiente de educação a distância, instrumentalizando professores para as possibilidades técnico-metodológicas em um curso de formação na modalidade não-presencial. Impulsionar a apropriação de ferramentas de comunicação, interação e publicação individual e coletiva para mediar o processo de aprendizagem. Conhecer e refletir sobre as políticas públicas que alicerçam a construção da Educação na perspectiva inclusiva. Identificar a diversidade humana beneficiada pelas estratégias de inclusão, analisando e apontando para a modelagem de planos de intervenção sociocognitiva com vistas à inserção qualificada no tempo e no espaço da sala de aula.
Conteúdo programático:
  • Tecnologias de Informação e de Comunicação (TICs) na perspectiva da Educação Inclusiva.
  • Interface técnico-metodológica de ambiente de Educação a Distância.
  • Interface para EAD acessível: possibilidades pedagógicas desses ambientes como estratégias de inclusão sociodigital.
  • Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva.
  • Diversidade humana beneficiada: estudo e propostas de intervenção (palestras).
Módulo II – Introdução à Informática Acessível – 60h
Súmula do Módulo: Apresentação, exploração, observação e manuseio de diferentes dispositivos e interfaces de hardware e software que possibilitam o acesso aos recursos de ambientes computacionais para a diversidade humana. Identificação, exploração e manuseio de recursos e estratégias para ampliar a interação e a comunicação para garantir uma maior autonomia e inclusão sociodigital e escolar. Estudo de casos reais de inclusão escolar problematizados pelos conhecimentos e experiências vivenciados no módulo. Elaboração estratégias técnico-metodológicas em apoio à diversidade humana para a inserção sociodigital e escolar.
Conteúdo programático:
  • Informática acessível como modalidade da Tecnologia Assistiva (TA).
  • Tecnologia Assistiva: conceituação. Tipologia de TA focalizando as de alta tecnologia.
  • Comunicação Alternativa-Aumentativa-Expandida (CAA) como categoria TA: conceituação e sistemas simbólicos.
  • TA no atendimento da deficiência visual, física, auditiva, da comunicação, como apoio à interação em Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) de forma acessível, no processo de inclusão sociodigital.
  • Recursos hardware acessível: teclado, mouse, acionadores, monitor, capacete com ponteira, pulseira de pesos, colméia, entre outros.
  • Recursos de software acessível: leitores de tela; ampliadores de tela e de caracteres; simuladores de teclado e de mouse; sintetizadores de voz, entre outros.
  • Estudo de Caso e proposição de estratégias de intervenção.
Módulo III – Recursos de Internet Acessíveis - 60h
Súmula do Módulo: Estudos das possibilidades educativas da Internet acessível. Exploração e reflexão sobre os usos pedagógicos da Internet - navegação, comunicação e produção de conteúdo para web - na perspectiva de uma Educação Inclusiva. Estudo de casos reais de inclusão escolar problematizados pelos conhecimentos e experiências vivenciados no módulo. Elaboração estratégias técnico-metodológicas em apoio à diversidade humana para a inserção sociodigital e escolar.
Conteúdo programático:
  • Recursos de Internet acessível: possibilidades educativas para atendimento à diversidade humana.
  • Ferramentas de Internet para a navegação acessível.
  • Ferramentas de Internet para a comunicação acessível.
  • Ferramentas de Internet para a construção de conteúdo acessível.
  • Estudo de Caso e proposição de estratégias de intervenção.
Módulo IV – Acessibilidade à Web - 10h
Súmula do Módulo: Estudo de critérios e requisitos para promover o acesso à Web para a diversidade humana. Observação e utilização de sistemas de avaliação e validação de conteúdo para a Web. Estudo de casos reais de inclusão escolar problematizados pelos conhecimentos e experiências vivenciados no módulo. Elaboração estratégias técnico-metodológicas em apoio à diversidade humana para a inserção sociodigital e escolar.
Conteúdo programático:
  • Acessibilidade a Web: conceito, princípios e diretrizes.
  • Desenho universal na produção de ambientes acessíveis para atendimento à diversidade humana.
  • Sistemas de avaliação de acessibilidade: manual e automático.
  • Estudo de Caso e proposição de estratégias de intervenção.
Módulo V – Objetos de Aprendizagem Acessíveis - 30h
Súmula do Módulo: Conceituação, concepção teórica e metodológica para a utilização de objetos de aprendizagem em contexto educacional. Estudo ergonômico e cognitivo de objetos de aprendizagem na perspectiva da acessibilidade. Análise, avaliação e utilização de objetos de aprendizagem como instrumentos cognitivos para apoiar processos de inclusão escolar. Estudo de casos reais de inclusão escolar problematizados pelos conhecimentos e experiências vivenciados no módulo. Elaboração estratégias técnico-metodológicas em apoio à diversidade humana para a inserção sociodigital e escolar.
Conteúdo programático:
  • Conceituação de Objetos de Aprendizagem.
  • Concepção teórica e metodológica para utilização e construção de Objetos de Aprendizagem acessíveis.
  • Diretrizes para a seleção e produção de Objetos de Aprendizagem acessíveis.
  • Sistemas computacionais para a produção de objetos de aprendizagem acessíveis: editores de texto, editores de som e editores de imagem, editores de hipermídia.
  • Mídias digitais acessíveis: áudio-livro; livro digital; atividades lúdicas e jogos pedagógicos.
  • Estudo de Caso e proposição de estratégias de intervenção.
Módulo VI – Estudo de caso e Plano de Ação Pedagógica – 10h
Súmula do Módulo: Conceituação e apropriação da metodologia de projetos. Identificação e análise diagnóstica de Estudo de Casos de inclusão em instituições educativas regulares. Aproximação com a equipe responsável pelo Atendimento Educacional Especializado (AEE) da instituição de ensino para refletir, estruturar e aplicar plano de intervenção para a inserção qualifica de sujeitos com necessidades especiais no tempo e no espaço da sala de aula. Apresentação e discussão junto ao grupo de professores participantes do curso de formação para uma análise e enriquecimento do plano de intervenção.
Conteúdo programático:
  • Metodologia de Projetos.
  • Análise crítica, diagnóstica e propositiva de Estudo de Caso para a intervenção técnico-metodológica para apoiar a inclusão sociodigital em sala de aula.
  • Modelagem do plano de intervenção pedagógica em sintonia com a equipe de Atendimento Educativo Especializado (AEE).
  • Apresentação, análise crítica, enriquecimento e reestruturação plano de intervenção pedagógica.

|| CRONOGRAMA DO CURSO - 180 HORAS
||

|||||| SEMANA 00

27 de fevereiro - 02 de março 2012
Curso de Capacitação - Formadores e Tutores
Cadastramento dos Professores-cursistas
SEMANA 1

05/03/2012
SEMANA 2

12/03/2012
SEMANA 3

19/03/2012
SEMANA 4

26/03/2012
SEMANA 5

02/04/2012
Módulo I:
Tecnologias de Informação e Comunicação Acessíveis e Política Nacional de Educação Especial
Módulo I:
Tecnologias de Informação e Comunicação Acessíveis e Política Nacional de Educação Especial
Módulo II:
Introdução à Informática Acessível
Módulo II:
Introdução à Informática Acessível
Módulo II:
Introdução à Informática Acessível
SEMANA 6

09/04/2012
SEMANA 7

16/04/2012
SEMANA 8

23/04/2012
SEMANA 9

30/04/2012
SEMANA 10

07/05/2012
Módulo II:
Introdução à Informática Acessível
Módulo II:
Introdução à Informática Acessível
Módulo III:
Recursos de acessibilidade

no uso da Internet
Módulo III:
Recursos de acessibilidade no uso da Internet
Módulo III:
Recursos de acessibilidade no uso da Internet
SEMANA 11

14/05/2012
SEMANA 12
21/05/2012
SEMANA 13

28/05/2012
SEMANA 14 04/06/2012
SEMANA 15 11/06/2012
Módulo III:
Recursos de acessibilidade no uso da Internet
Módulo III:
Recursos de acessibilidade no uso da Internet
Módulo IV:
Recursos de acessibilidade a WEB
Módulo IV:
Recursos de acessibilidade a WEB
Módulo V:
Objetos de Aprendizagem Acessíveis
SEMANA 16 18/06/2012
SEMANA 17 25/06/2012
SEMANA 18

02/07/2012
SEMANA 19

09/07/2012
Módulo V:
Objetos de Aprendizagem Acessíveis
Módulo V:
Objetos de Aprendizagem Acessíveis
Módulo VI:
Estudo de Caso e Plano de Ação Pedagógica
Módulo VI:
Estudo de Caso e Plano de Ação Pedagógica


|| RECURSOS DIDÁTICOS
||

Além das disciplinas descritas anteriormente, distribuídas ao longo de curso, são oferecidas conferências com o objetivo de sensibilizar e aproximar o professor cursista de temáticas que subsidiam e apóiam o processo de inclusão de sujeitos de necessidades especiais na Educação básica. Junto a cada conferência são apresentados vídeos com demonstração de recursos tecnológicos que permitem superar desvantagens e garantir a efetiva participação de sujeitos com necessidades especiais em espaços socioculturais, registros que ilustram a viabilidade de práticas inclusivas na Educação Básica.
A inserção de conferências e de vídeos que demonstram recursos tecnológicos e práticas de inclusão escolar mediadas por Tecnologias da Informação e de mídias, permitem trazer para diferentes contextos socioculturais brasileiros o saber de renomados especialistas para problematizar áreas de conhecimento fundamentais para toda a dinâmica de um projeto pedagógico inclusivo. É importante destacar que todas as conferências e os vídeos apresentados ao longo do curso contemplam tradução em LIBRAS.
AVALIAÇÃO DOS PARTICIPANTES DO CURSO
A metodologia do curso está fundamentalmente centrada na realização das atividades solicitadas na Agenda e na interação do professor com o ambiente, no trabalho com alunos, na participação em fóruns, bate-papo, interação com os colegas e os formadores/monitores e autoavaliação.
A avaliação envolve um processo de acompanhamento contínuo do professor em cada uma das disciplinas. Essa avaliação é feita pelos formadores do curso com base nas tarefas propostas. O professor terá informações contínuas sobre o seu desempenho em cada tarefa realizada, com apoio permanente da equipe composta pelo formador e seus monitores, que conjugará para a avaliação de cada disciplina. Em complemento à avaliação processual e atendendo às "Normas para regulamentação das ações de educação a distância, no âmbito da UFRGS", será realizada também uma avaliação presencial, com consulta ao material do curso. Esta avaliação será realizada na própria instituição do aluno e aplicada pela Direção ou por alguém por ela indicado.
Para obtenção do certificado de aproveitamento do curso, o professor deverá ter obtido a aprovação em todas as disciplinas, segundo os critérios adotados na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS):
        • A - muito bom
        • B - bom
        • C - regular
        • D - reprovado por falta de aproveitamento
        • FF - reprovado por falta de freqüência
||
© Material elaborado para o curso pela equipe UAB/UFRGS/NIEE - 2011